PDI e Avaliação Institucional na UFC

A avaliação das Instituições de Educação Superior (IES) tem caráter reflexivo e formativo, cuja síntese está na frase socrática: CONHECE-TE A TI MESMO. Como mencionado, visa a conhecer e aperfeiçoar as atividades internas da IES, bem como a ação dos seus principais agentes: egressos, discentes, docentes, servidores técnico-administrativos. Idealmente, a avaliação institucional, nessa perspectiva teórica, deve buscar a participação responsável e efetiva da maioria desses agentes. Em caso de que tal seja, efetivamente, alcançado, estará sendo construída cultura interna favorável à avaliação institucional, que possibilitará maior conscientização acerca da missão, bem como das finalidades acadêmica e social da IES. Possibilitará, então, consolidar a noção de que a avaliação institucional participativa é a via para a reflexão coletiva e, por conseguinte, para o planejamento institucional participativo. Na UFC, o processo de avaliação institucional vem sendo implementado e aprimorado em consonância com o Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) 2013-2017, que estabelece um Eixo de Ensino e Aprendizagem, dividido em dois programas:

  1. Melhoria da qualidade do ensino: avaliação, metodologias de ensino e aprendizagem, formação para a docência no ensino superior, protagonismo estudantil, assistência estudantil e melhoria do ensino no âmbito dos hospitais;
  2. Expansão da oferta de ensino: expansão dos campi e unidades existentes e criação de novos campi e novas unidades.

No Programa que envolve a Melhoria na Qualidade do Ensino, um dos objetivos propostos pelo PDI diz respeito à definição dos agentes resposáveis pelo acompanhamento do processo de autoavaliação Institucional, com ênfase nos cursos de graduação. Atualmente, as unidades acadêmicas contam com Comissões Setoriais de Avaliação (CSA), dirigidas pela Comissão Própria de Avaliação (CPA), designada pela administração superior. As CSAs são designadas pelos Diretores de Unidades, sendo compostas por no mínimo 03 (três) membros: um docente, que preside a comissão, um servidor do corpo técnico-administrativo e um representante discente. A CPA é composta por 12 membros, sendo 03 professores do quadro efetivo da UFC, 03 representantes dos servidores técnico-administrativos, 03 estudantes de graduação e 03 membros da sociedade civil.

O PDI (2013-2017) também estabeleceu como objetivo no Programa de Melhoria da Qualidade do Ensino, a necessidade de implementação e também de uso efetivo dos módulos de avaliação docente pela comunidade da UFC, de modo que se gere uma autêntica cultura avaliativa do processo de ensino e aprendizagem no âmbito dos cursos de graduação e de pós-graduação. Atualmente, estudantes e professores participam da Avaliação Institucional pelo Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas (SIGAA) em período definido e amplamente divulgado pela CPA. O uso efetivo de tecnologias de informação e comunicação (TICs) no processo avaliativo foi iniciado no semestre letivo de 2015.1, após uma etapa de pré-teste de sistema realizada no semestre de 2014.2, com 18 cursos de graduação (Música (Instituto de Cultura e Arte, Fortaleza), Fisioterapia, Oceanografia, Ciência da Computação (Campus de Crateús), Engenharia de Software (Campus de Russas), Letras-Inglês, Sistemas e Mídias Digitais, Letras-Espanhol, Engenharia Elétrica, Zootecnia, Pedagogia (noturno), Sistemas de Informação (Campus de Quixadá), Biotecnologia, Medicina (Campus de Sobral), Farmácia, Administração (diurno), Educação Física (licenciatura diurna) e Direito (noturno)). Além de criar condições para a coleta e análise de dados, o PDI também estabelece a necessidade de se proporcionar o efetivo emprego dos resultados das avaliações, de modo que o processo de ensino e aprendizagem possa ser objeto de reflexão coletiva, considerando as seguintes estratégias de ação:

  1. Elaborar planos de trabalho a partir dos resultados das avaliações, de modo a que o processo possa ser objeto de constante e duradouro aprimoramento, contribuindo para criação de uma cultura de avaliação institucional.
  2. Planejar ações de aprimoramento da atuação docente e de qualificação do curso, a partir dos diagnósticos efetivados.
  3. Executar as ações de aprimoramento da atuação docente e de qualificação dos cursos, a partir das ações planejadas.
  4. Avaliar os impactos da execução das ações de aprimoramento da atuação docente e de qualificação dos cursos, buscando rela-cionar estes resultados com indicadores de desempenho internos e externos.

Todo o trabalho de planejamento da UFC, quanto à Avaliação, demonstra o perfeito entrosamento com a estratégia 13.3 do PNE, que sugere induzir o processo contínuo de autoavaliação das IFES, fortalecendo a participação das comissões próprias, bem como a aplicação de instrumentos de avaliação que orientem as dimensões a serem fortalecidas, destacando-se a qualificação e a dedicação do corpo docente.